quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Aspectos nutricionais básicos da AMAmentação - Parte II

Alimentação da mãe que AMAmenta




A alimentação da mãe que está amamentando deve prover nutrientes e calorias suficientes para a produção do leite materno, para a produçãodo leite em composição e quantidades ideais, manutenção da saúde da mulher e para assegurar suas reservas nutricionais.

A sensação de fome nem sempre é a melhor reguladora de calorias ou nutrientes. A fome pode ser um fator importante para garantir que a mãe não se esqueça de ingerir alimentos num momento onde sobra tão pouco tempo para os cuidados maternos, mas também, pode levar a momentos de compulsão alimentar gerada pela inatividade e ansiedade, comumente relatada no pós parto imediato.

Não se deve realizar nenhum tipo de restrição calórica ou alimentar durante o período do aleitamento, ou pelo menos até o sexto mês, pois uma perda de peso severa ( > 10% do peso corporal total) acompanhada de ingestão insuficiente de nutrientes, pode levar a diminuição da produção e secreção de leite, deficiências nutricionais maternas e, até mesmo, desnutrição puerperal.


 
A mãe que amamenta deverá receber orientação de elevar entre 300 a 500 calorias o aporte calórico ao seu gasto energético basal. Isso significa que além das calorias recomendadas para uma mulher saudável, em idade fértil, que realiza ou não atividade física, esse total de até 500 kcal deve ser acrescido a sua rotina até o final do período de aleitamento exclusivo.
A partir da alimentação complementar a mulher poderá retornar ao seu padrão alimentar semelhante ao da gestação sem o adicional calórico, a fim de retornar ao seu estado nutricional pré gestacional.
A ingestão de líquidos não poderá ser descuidada, devendo atingir a média de consumo de 2 litros de líquidos por dia, incluindo água, chás de ervas sem cafeína, sucos de frutas sem adição de açúcar e água de coco. É importante evitar ou mesmo suspender o consumo de cafés, refrigerantes, sucos industrializados e bebidas alcoólicas até o final da amamentação. Posso garantir que esse "esforço" valerá a pena para mãe e bebê.

E, para concluir, é importante ressaltar que a secreção de leite materno está intimamente relacionada com a sucção do bebê. Quanto mais seu bebê mamar em livre demanda, afinal a criança possui um potente e sensível centro regulador da fome, maior será a produção de leite e por mais tempo seu bebê poderá receber o alimento mais completo e adequado para o seu desenvolvimento.

("Eu quero o verdadeiro!")
(Fonte:http://www.sabctx.org/breastfeedingfun.htm)



Não deixe de respeitar a vontade do seu bebê, afinal ele sabe bem o que é bom pra ele! rs

Débora Rosa
Nutricionista
CRN3 15777

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Newsletters

Facebook

Twitter

Instagram