quinta-feira, 21 de março de 2013

Cláudia Bebê entrevista a Nutriterapia

Semana passada dei uma entrevista para a revista Claudia Bebe (RCBB) da editora Abril falando sobre a importância da alimentação durante a gestação.

Obviamente, os cuidados com a alimentação devem começar muito antes da gestação e estender-se até o fim dos nossos dias, mas, nesse post, meu foco estará na alimentação após a concepção. 
Minhas opiniões mais relevantes sobre o tema e o resumo da matéria vocês conferem aqui:


RCBB - Qual é a importância da alimentação na gestação?

Nutriterapia -
Uma alimentação variada e completa garante um estado nutricional materno favorável para receber a gestação. Além de prevenir as carências nutricionais, as boas práticas alimentares garantem todos os nutrientes necessários para a perfeita evolução da gestação e do bebê e assegurar as reservas biológicas necessárias ao parto, pós-parto e à amamentação.
Dessa forma, uma boa alimentação durante esse período tem impacto em toda a vida dos filhos. Alimentar-se de forma consciente e responsável é um dos primeiros atos de amor que uma mãe pode dedicar ao seu filho.   

RCBB - Em alguns casos é possível que alterações no cardápio da grávida melhorem esses quadros mesmo sem a utilização de medicamentos? Ou seja, alguns alimentos por si só podem provocar problemas na gestação?

Nutriterapia - O consumo alimentar inadequado, com excesso de alimentos processados, ricos em açúcar e gorduras e pobre em nutrientes, pode ser muito prejudicial para mãe e bebê, porém a substituição de alimentos industrializados por alimentos naturais favorece o desenvolvimento adequado da gestação e garante o ganho de peso adequado durante todo o período.

RCBB - Existem alimentos que devem ser riscados totalmente da vida da mulher enquanto ela está esperando um filho? 

Nutriterapia - Na minha opinião, frituras, alimentos embutidos (presunto, mortadela e demais frios, linguiça, salsicha, bacon e etc) e carboidratos refinados (pães, bolos e massas preparadas com farinha branca) deveriam ser eliminados do cardápio de qualquer pessoa, principalmente gestantes e crianças. Esses alimentos são pobres em proteínas de boa qualidade, probres em nutrientes e possuem sódio e gordura em excesso em suas composições. São considerados alimentos vazios por não possuirem nutrientes uteis ao organismo e possuirem alto teor calórico. 

RCBB - E quais são aqueles que não precisam ser riscados, mas o ideal é que sejam consumidos com parcimônia? 

Nutriterapia - A maior parte dos alimentos deve ser consumida com parcimônia (exceto aqueles citados anteriormente), inclusive alimentos saudáveis. O excesso ou priorização de determinado alimento pode ser prejudicial à saúde de alguma forma. Por exemplo: o excesso de fibras na rotina alimentar pode acelerar o trânsito intestinal e interferir na absorção de algumas vitaminas, mesmo sendo extremamente importante e saudável e isso não torna a fibra um alimento pouco saudável, muito pelo contrário. Ela é amplamente recomendada, porém dentro de um contexto alimentar adequado e variado. Na minha opinião, variedade e moderação são palavras chaves no sucesso de um processo de reeducação alimentar. 

Nutriterapia - Alimentos que possuem fundamental importância no período gestacional: 


Oleaginosas

Castanhas, nozes e amêndoas

Gorduras, especialmente ômega 3, proteínas e fibras. Fonte de biotina, cobre, magnésio, manganês, piridoxina e zinco.

Grãos e cereais integrais

Cevada, pão integral, aveia, germen de trigo

Fonte de ferro, magnésio, manganês, selênio e zinco.
Proteínas animais e vegetais
 Carne vermelha, frango, peixe, ovos

Proteína de alto valor. Fonte de ferro e vitaminas A e D, zinco, niacina, ômega-3, riboflavina e vitaminas A e B12


Leite e Derivados


Iogurte, leite, queijos

Alimento de fácil digestão, que auxilia na manutenção do sistema imunológico e formação do esqueleto ósseo do bebê.
Fonte de cálcio, magnésio, fósforo, riboflavina, vitaminas B12 e D e zinco.
Tubérculos
Batatas em geral, batata-doce, mandioquinha, cará e mandioca
Grupo de alimentos rico em carboidratos. Fontes de vitaminas do complexo B,
cálcio, fósforo, ferro e potássio.

Verduras
(Fontes de fibras)
Agrião, acelga, alface, couve, escarola, espinafre, rúcula e etc
Verduras ricas em vitaminas C, A e do complexo B, iodo, cálcio, fósforo, ferro, sódio e fibras. Contém ácido fólico, que previne a má formações no feto e afasta o risco de abortos e partos prematuros.

Legumes 
Abóbora, cenoura, chuchu, abobrinha, tomate e etc.
Fontes de fibras, vitaminas A, vit. do complexo B, potássio e fósforo.

Frutas

Abacate

Contém ácido fólico, que previne a má formação do feto e afasta o risco de abortos e partos prematuros.

Frutas cítricas
Acerola, maracujá, morango, limão, laranja, abacaxi e etc

Ricas em vitamina C, que facilita a absorção do ferro pelo organismo, mineral fundamental para a formação das células sanguíneas do bebê.



Débora Rosa
Nutricionista
CRN3 15777

2 comentários:

  1. DEMAIS AS EXPLICAÇÕES.
    A 3ª resposta da nutri todos deveriam seguir...VIVER BEM É ALIMENTAR-SE CORRETAMENTE...mais uma vez parabéns NUTRITERAPIA!!!!

    ResponderExcluir
  2. Acho que esqueci de ressaltar nessa entrevista que educação nutricional também vem de berço e que os pais são os principais responsáveis pelos hábitos alimentares dos filhos.
    Eu devo toda a formação do meu hábito alimentar à minha mãe que, sempre com muito carinho e muita dedicação, foi o meu grande e maior exemplo. Obrigada por tudo, mãe!
    Beijos,
    Débora.

    ResponderExcluir

Newsletters

Facebook

Twitter

Instagram