quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Oficina do sabor - SESC Pinheiros - Tema: Atualização em alimentação infantil

Oie! Tudo bem com vocês?
Por aqui tudo em paz e na correria de sempre.
Post especial para resumir a palestra que realizei no SESC Pinheiros na última terça feira, dia 27/08, sobre alimentação infantil.

Vale dizer que na sexta anterior dei uma palestra sobre Alimentação e Fertilidade, também no SESC Pinheiros, onde tive a oportunidade de falar sobre as novidades nessa área apresentadas também em meu livro Fertilidade e Alimentação, escrito em parceria com Dr. Arnaldo S. Cambiaghi e lançado em novembro de 2012.

A oficina do sabor é um evento sócio educativo que o SESC realiza mensalmente e nela são apresentados diferentes temas em alimentação e saúde; além disso, técnicas de preparo de refeições e degustação dos alimentos são apresentadas nas oficinas.

Essa semana falei sobre a principal filosofia da Nutriterapia: a importância do cuidado que se deve ter com a fase de introdução dos alimentos na rotina dos bebês.
Na minha opinião, esse período é determinante para a aceitação dos alimentos e para a formação da memória alimentar de uma criança. Não existe melhor momento para ensinar a criança a gostar e conhecer determinados alimentos que esse.

A alimentação adequada desde a infância é capaz de:
•Garantir o ganho de peso e crescimento adequados;
•Favorecer o perfeito desenvolvimento físico e intelectual;
•Prevenir infecções e outras doenças na infância e vida adulta.

E por que não investir em saúde e qualidade de vida desde os primeiros alimentos?
Por que esperar para ensinar duas vezes, quando "desaprender" é impossível e reeducar é muito mais difícil?

Recebo inúmeros familiares em meu consultório (mães, pais, avós) ansiosos pelo momento de oferecer o primeiro biscoito de maisena ou o primeiro pote de danoninho e penso: por que não oferecer um pedaço de banana, um palito de maçã ou uma vitamina caseira? Por quê oferecer precocemente alimentos reconhecidos pela alta palatabilidade se em qualquer momento da vida eles podem ser aceitos, diferente de um pedaço de laranja lima ou abacaxi?
Enfim... esse é apenas um dos exemplos de práticas antigas e que caíram em desuso transferidas até hoje para pais de primeira ou mais viagens, infelizmente!!

Como toda oficina do SESC possui uma degustação, resolvi apresentar aos participantes um resumo do que  foi dito e do que eu acredito ser uma alimentação completa, variada, saudável e nutritiva para crianças a partir de 7 meses. Digo 7, pois nunca começamos introduzindo refeições inteiras como essa logo após a liberação do pediatra. Os primeiros alimentos oferecidos costumam ser sucos pouco ácidos e, posteriormente, frutas macias amassadas.

A primeira refeição "salgada"* deve ser oferecida no lugar de uma mamada, preferencialmente, próximo ao horário do almoço da família ou após 3 horas da última mamada. Essa deve possuir 1 alimento de cada grupo alimentar e obter a seguinte composição:

Carboidrato + legume + proteína animal +leguminosa + verduras + gordura (azeite, de preferência)
Os alimentos devem ser cozidos em pouca água ou à vapor, dispostos separadamente no prato da criança e oferecidos amassados de tal forma que lembrem o aspecto das frutas amassadas que a criança já esteja recebendo (ex.: banana, mamão ou abacate).
Naturalmente, os alimentos devem ser adaptados em consistência e quantidade para a idade de cada criança. 

Quando me perguntam por que não se deve mais oferecer sopas ou papas misturadas para os bebês eu respondo: para expor a criança aos verdadeiros sabores dos alimentos e permitir que a memória alimentar dela se forme com base nos alimentos disponíveis e não em preparações que ela não mais deverá consumir após os 12 meses. Oferecer os alimentos misturados não favorece o contato com os verdadeiros sabores de cada alimento dificultando e MUITO a aceitação deles quando estes forem separados.


As combinações apresentadas na oficina foram: batata, abóbora, carne cozida em água, azeite e alho poró na pressão, vagem e brócolis OU
mandioquinha, cenoura, a mesma carne, feijão preto e repolho roxo.
E incontáveis combinações podem ser feitas, basta ter conhecimento dos grupos alimentares e um pouco de criatividade!! ;)
Ao final de cada pratinho fora adicionada 1 colher de sobremesa de azeite macerado com manjericão fresco.

O resultado? Todo mundo adorou!! Pelo menos essa foi a minha impressão ao ver os participantes repetindo as "comidinhas". 

Bem, esse era o meu "resumo".
Espero em breve poder participar de mais oficinas como essa com o objetivo de levar informação atualizada, segura e de qualidade para que cada vez mais famílias possam colaborar com a formação de uma geração mais saudável e bem resolvida com a alimentação.

Até a próxima.
Beijo grande,
Débora Rosa.

*- coloquei esse asterisco só para lembrar que as refeições dos bebês não precisam receber sal. Crianças não possuem expectativas quanto ao sabor dos alimentos. Quanto menos sal elas forem acostumadas a consumir, melhor para todos!!
--

2 comentários:

  1. NOssaaa...adorei esse post!
    Vai me ajudar muito na introdução alimentar da minha pequena!
    Maravilhoso, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Olá Professor,
    Fico feliz que tenha gostado das dicas.
    Continue acompanhando.
    Obrigada pelo retorno.

    Um abraço,
    Débora Rosa.

    ResponderExcluir

Newsletters

Facebook

Twitter

Instagram